DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Medicina da Bahia >
Trabalhos de Conclusão de Curso – TCC (Medicina) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/23934

Title: Infecção do Trato Respiratório Inferior por Chlamydia trachomatis em lactentes: Série de Casos
Authors: Costa, Rafael Lima
???metadata.dc.contributor.advisor???: Souza, Edna Lucia Santos de
Keywords: Chlamydia trachomatis;Infecções Respiratórias;Lactente;Estudos de Casos
Issue Date: 10-Aug-2017
Abstract: Chlamydia trachomatis é um dos principais patógenos transmitidos sexualmente no mundo. Estima-se que mais de 130 milhões de pessoas se infectem anualmente. A C. trachoamtis é um parasita intracelular, que pode levar a lesões oftálmicas e danos respiratórios em crianças quando transmitida verticalmente. No Brasil, trabalhos demonstram prevalência de 2,1-20,7% de infecção genital por C. trachomatis entre mulheres. Entretanto, são escassos os dados sobre essa infecção no trato respiratório Objetivos: inferior (ITRI) de crianças. Descrever as características clínicas, laboratoriais e radiológicas da infecção respiratória por C. trachomatis em uma série de casos de lactentes. Metodologia: Série de casos, em uma população de lactentes com até 6 meses de idade que foram internados e diagnosticados com ITRI por C. trachomatis no período de 2004 a 2007. Foram avaliadas características socioeconômicas, clínicas, laboratoriais e radiológicas referentes a 24 lactentes. Resultados: A mediana da idade dos lactentes foi 46,5 dias (intervalo interquantil: 38,5 – 73,5), sexo masculino foi o mais frequente (66,7%). Em 54,17% dos casos, as famílias não tinham renda fixa ou era inferior a um salário mínimo. Verificou-se ausência de febre em 92,7% dos casos, e conjuntivite em 45,8%. Tosse foi presente em 95,83% dos lactentes, sendo a forma tosse produtiva mais prevalente (70,8%). Apenas 33,33% dos casos apresentou taquipneia, e dispneia foi descrita em 87,5% dos lactentes. Contagem de eosinófilos superior a 300 cels/dL foi encontrada em 66,66% dos casos. Hiperinsuflação e infiltrado intersticial foram os achados radiológicos mais frequentes (65% e 55% respectivamente). Conclusões: A ausência de febre, presença de conjuntivite e tosse produtiva em lactentes de 1 a 3 meses devem aumentar a suspeição clínica de infecção respiratória causada por C. trachomatis. Contagem de eosinófilos no sangue e exame radiológico do tórax dos lactentes podem auxiliar no diagnóstico.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/23934
Appears in Collections:Trabalhos de Conclusão de Curso – TCC (Medicina)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Rafael Lima Costa.pdf1.35 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA